Versão para impressão
PDF

NOVOTECNA lidera a Associação Portuguesa de Laboratórios de Fabricação Digital (APLFD)

A NOVOTECNA continua a marcar posição na área da Fabricação Digital, agora como associada da Associação Portuguesa de Laboratórios de Fabricação Digital, com a eleição do Eng.º Horácio Pina Prata como Presidente da Direcção  da APLFD, no qual integram entidades na direcção como a EDP, AIP; YDREAMS, ADXTUR, Instituto Politécnico da Guarda e a Fundação da Juventude.

A cerimónia realizou-se no passado dia 21 de Novembro nas instalações da NOVOTECNA,  com a tomada de posse  dos órgãos  sociais  dada pelo  Presidente  da Assembleia Geral,  Dr. Celso Ferreira - Presidente da Câmara Municipal de Paredes,  contando ainda  nos restantes  órgãos  sociais a Câmara Municipal de Óbidos, Universidade Nova  de Lisboa, Nersant, Escola Superior de Educação de Santarém   entre outras entidades de prestígio que constituem Associação.

 

Eng.º Horácio Pina Prata considera este passo como um  “reconhecimento do trabalho do Fab Lab Coimbra em prol da criatividade e  inovação, na comunidade científica e técnica e na afirmação  de Coimbra na rota mundial do empreendedorismo da fabricação  digital e prototipagem rápida.”

 

A NOVOTECNA assume assim um papel preponderante com forte posicionamento no universo da Fabricação Digital em Portugal e no mundo considerando o momento “  gratificante pelo facto de entidades de referência que constituem a APLFD, decidirem que a sede desta associação seja em Coimbra no Fab Lab, situado no Complexo Tecnológico, referência mundial na área da inovação saúde e tecnologia ” reforça Eng.º Horácio Pina Prata.

 

 

A APLFD orienta a sua actividade com vista a promover dois grandes vectores do crescimento: a Criatividade, atraindo para a rede conhecimento, personalidades e eventos promotores da criatividade e cidadania participativa e Inovação proporcionando mecanismos de análise e viabilização de negócio com base nas invenções geradas no seio de cada Fab Labs.

Foto 1 – Tomada de Posse

 

Esquerda para a direita : Presidente da Assembleia Geral  e Presidente da Câmara Municipal de Paredes,  Dr. Celso Ferreira  e Presidente da Direcção da APLFD Eng.º. Horácio Pina Prata no momento da tomada de posse.

Versão para impressão
PDF

 

Visita do Presidente da Casa de Moçambique

 

Visita do Dr. Enoque João, Presidente da Casa de Moçambique de Portugal.

Versão para impressão
PDF

Bebé salvo por impressora 3D

 

Um bebé de 18 meses foi salvo por um implante construído através de uma impressora 3D, em Michigan, nos Estados Unidos da América. Este é o segundo caso a recorrer a esta técnica.

Garrett Peterson tem 18 meses e desde o seu nascimento foram detetados graves problemas respiratórios. Nasceu com um buraco entre as câmaras inferiores do coração que exerceu uma grande pressão sobre os pulmões, fazendo com que fosse possível respirar apenas por pequenas fendas.

Richard Ohye, chefe da cirurgia cardiovascular pediátrica do Hospital da Universidade de Michigan, disse, num vídeo publicado pela universidade, que "são os problemas do pulmão e das vias respiratórias o maior problema", visto que o "defeito cardíaco é relativamente simples de corrigir".

De acordo com um comunicado da universidade, Garrett ficava sem respirar quatro ou cinco vezes por dia e acabou por ter que ser colocado no ventilador sob medicação pesada.

Jake Peterson, pai de Garrett leu, em Maio de 2013, um artigo sobre Kaiba Gionfrido, um bebé com um problema semelhante. Os médicos da Universidade de Michigan tinham criado uma tala, feita de material biológico, através de uma impressora 3D que teve sucesso. A solução encontrada pelos pais de Garrett foi contactar o médico Glenn Green e saber se estaria disponível para tratar do filho.

Os dispositivos criados através de impressoras 3D para uso em seres humanos ainda não foram aprovados pela Food and Drug Administration (FDA), o órgão governamental dos EUA responsável por controlar os alimentos e medicamentos. No entanto, Green e o engenheiro biomédico Scott Hollister conseguiram autorização tanto para o caso de Kaiba, como para o caso de Garrett.

foto Leonel de Castro/Global Imagens
Versão para impressão
PDF

 

Dos 21 prémios da 5.ª edição do concurso Arrisca C entregues, oito ficaram em Coimbra, correspondendo a projetos de quatro equipas de três escolas superiores.

O Instituto Politécnico foi galardoado com três prémios, recebidos pela Escola Superior Agrária de Coimbra; outros três foram recebidos pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.

Já a universidade recebeu dois – um para a faculdade de Economia e outro para a faculdade de Ciências e Tecnologia. Na cerimónia que se realizou ontem, foram premiados 15 projetos, sendo que a alguns foi-lhes atribuído mais do que um prémio.

(Ler notícia completa na edição impressa do DIÁRIO AS BEIRAS) Ver mais ..... www.diáriodasbeiras.pt